Quando menos esperamos o vazio aperta, a dor escorre por nossos olhos e a solidão se faz presente. Os dias se tornam pesados demais para carregar e enxergar uma saída daquele sufoco parece não existir. É meio confuso que algo frio e repleto de medos possa doer tanto, é confuso demais que algo que aparentemente é vazio possa ser cheio de lembranças, saudades e vontades que não mais se realizaram. Então, em meio a esse caos de sentimentos, você se encontra no chão do seu quarto ouvindo uma canção qualquer que lhe faça chorar cada vez mais.

A Teoria do Caos

Aprendi que amores eternos podem acabar em uma noite, que grandes amigos podem se tornar grandes inimigos, que o amor sozinho não tem a força que imaginei. Que ouvir os outros é o melhor remédio e o pior veneno, que a gente nunca conhece uma pessoa de verdade, afinal, gastamos uma vida inteira para conhecer a nós mesmos. Que os poucos amigos que te apoiam na queda, são muito mais fortes do que os muitos que te empurram. Que o “nunca mais” nunca se cumpre, que o “para sempre” sempre acaba, que minha família com suas mil diferenças, está sempre aqui quando eu preciso. Que ainda não inventaram nada melhor do que colo de mãe desde que o mundo é mundo, que vou sempre me surpreender, seja com os outros ou comigo. Que vou cair e levantar milhões de vezes, e ainda não vou ter aprendido tudo.

William Shakespeare. 

Preste atenção nos sinais e não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O amor.

Carlos Drummond de Andrade 

Dizem que pra perdoar é preciso esquecer. Isso não funciona comigo. Simplesmente não consigo. Eu perdoo, mas não esqueço.

Marcello Henrique.

Você se afastou sem mais nem menos e eu apenas aceitei sua decisão. Não falei nada, muito menos o quanto isso estava me machucando e só deixei os dias passarem. Pensei muito em você, lamentei sua falta, mas não corri atrás. De nós dois, guardo lembranças e no seu lugar, a saudade ficou.

You don’t need me, Marcello Henrique.

Às vezes, fico triste, mas não consigo me sentir infeliz. Acho que o tédio é o sentimento mais moderno que existe, que define o nosso tempo. Tento fugir disso, pois tenho uma certa tendência ao tédio. Mas, felizmente, eu sou animadérrimo! Sou muito animado pra sentir tédio. Sou animado à beça, qualquer coisa me anima. Se você me convida pra ir à Barra da Tijuca, eu já digo logo: Vaaaamos!!! Qualquer besteira me anima. Tudo que já passei na minha vida não conseguiu tirar essa animação. Eu me sinto sempre ganhando presentes. Se faço uma entrevista e leio depois no jornal, acho tudo o máximo, o texto, a foto… Estou sempre ganhando brinquedos. Minha vida é muito assim: sempre morrendo de rir, nunca com tédio. E quer saber de uma coisa? O que salva a gente é a futilidade.

Cazuza, por ele mesmo  

Eu menti para ela, Zé. Eu disse que não gostava dela e que não iria fazer diferença nenhuma se ela saísse da minha vida. Disse também que não iríamos dar certo, pensando que seria o melhor para ela. Eu fiz ela chorar, Zé. Eu falei que não tinha medo de perdê-la, achando que em hipótese alguma ela fosse embora. E enquanto eu tava pensando, ela se foi. Ela foi embora, Zé.

Diário de um Bêbado  

Intensa demais para aceitar ser amada pela metade.

Os porquês de Amélia Roswell.  

Passei a minha vida toda sendo forte na frente dos outros e desabando totalmente só em um canto qualquer.

Roma, 1994.  

Eu finjo que não estou magoada e ando no mundo como se estivesse me divertindo.

Lana Del Rey.